Choose Cuurency to display prices

   
Cuidado com as más influências... Especialistas refletem sobre as consequências de atitudes negativas nas redes sociais

A notificação com os números do meu tempo de navegação nas redes sociais chegou: na última semana foram 32h e 58 min só no Instagram, uma hora a mais se comparado ao mesmo período do mês anterior. E contando... O aumento é quase inevitável já que o isolamento social transformou a ferramenta em um portal de entretenimento.

Rotina de exercícios para acompanhar em tempo real, aulas de francês ao vivo, transmissão com o passo a passo do prato do dia, entrevistas à disposição e muita criatividade na hora de comunicar fazem parte da nova programação dos influenciadores digitais. Um estudo da FAAP em parceria com a empresa de marketing de mídias sociais Socialbakers, aliás, mostra que famosos e influencers tiveram um crescimento de 17,3% em número de seguidores nos últimos três meses. O resultado aponta um comportamento dos usuários: a busca por exemplos de como superar este momento de crise.

Cuidado com as más influências... (Foto: Victoria Polak)

 

 

Mas e quando a exposição não é construtiva e de inspiração o @ passa a ser má influência, inclusive para as marcas? “Os influenciadores são parte fundamental da estratégia da Amaro, porém, quando um comportamento vai contra os princípios da empresa, é o momento de rever a parceria. Desrespeito ao próximo, racismo, machismo, incitação à violência e irresponsabilidade com a informação compartilhada são alguns dos motivos para repensar contratos”, diz Camila Assreuy, Lead de RP e Influenciador da Amaro. A CEO da Mynd (agência especializada em marketing de influência), Fátima Pissarra, descreve a conduta ideal - que já deveria ser automática nas redes sociais.

É preciso ter em mente que você não está sozinho quando passa a ter seguidores. Falar a verdade e pensar em nível macro em todas as consequências do conteúdo é essencial, além de refletir antes de qualquer ação. A sua atitude condiz com o comportamento esperado pelas pessoas e pelo qual o faz ser seguido nas redes? Se existe alguém que pode não achar legal, não faça”, diz.

Falar a verdade e pensar em nível macro em todas as consequências do conteúdo é essencial para qualquer influenciador"
Fátima Pissarra, CEO da Mynd

Em tempos de coronavírus e a orientação da OMS (Organização Mundial de Saúde) para ficar em casa, não deve ser a primeira vez que você se depara com o exemplo da blogueira fitness Gabriela Pugliesi durante o distanciamento social. A sua festa entre amigos rendeu a suspensão de pelo menos oito contratos. Recentemente, também veio à tona o caso da ex-BBB Ivy Moraes (3,6 milhões de seguidores), que apareceu reunida em Goiânia com amigos, entre eles o ator Henri Castelli. A verdade é que o descaso de figuras públicas perante à situação mundial tem colocado em cheque o futuro da profissão de influencer - nunca tão questionada como agora.

 

“A irresponsabilidade de parte dos influenciadores digitais sempre foi evidente, mas nós não queríamos olhar para isso. Neste momento de pandemia estamos tão expostos com a má gestão, arrogância, medo da doença e problemas como o aumento da violência doméstica, que não cabe mais valorizar e tolerar pessoas que produzem conteúdos descolados da realidade do país”, diz Pollyana Ferrari, pesquisadora em Mídias Sociais, escritora e professora da PUC-SP.

Cuidado com as más influências... (Foto: Victoria Polak)

 

Por essas e outras, a influencer Vanessa Guerra (@vanessatguerra) tem repensado suas publicações no Instagram. “Como nós temos uma responsabilidade social na internet, todo cuidado é pouco. Tenho produzido conteúdos voltados para a moda consciente e que fomentem as marcas locais. Além disso, sigo incentivando o exercício dentro de casa. É um movimento que comecei há um ano e tem me ajudado a conter a ansiedade com o futuro incerto”, diz a também gerente de Marketing da plataforma de música Deezer.

De acordo com os estudos da agência de pesquisa de tendências de consumo, comportamento e inovação Box1824, pós-pandemia os conteúdos considerados como “má influência” serão cada vez menores. “Os influenciadores são controlados pelo próprio ecossistema que influenciam. Então, se eles fazem algo que é comprovadamente errado, contra as boas práticas, são expurgados e perdem a relevância - e perder relevância para eles é a maior punição”, explica Henrique Diaz, Diretor de Planejamento da Box1824. A movimentação também reflete no relacionamento com os parceiros. “As marcas contratam o influenciador para influenciar uma audiência. Se essa audiência está discordando do profissional, então, as marcas também não enxergam mais valor em contratá-lo. E isso também colabora para que as más condutas percam o espaço”, afirma.

Cuidado com as más influências... (Foto: Victoria Polak)

 

A influencer e comunicadora Luiza Brasil (@mequetrefismos) confirma a precaução e alerta sobre o recorte de raça na cultura do cancelamento. “A régua do cancelamento é seletiva e tem um lugar racial. Ainda que a branquitute cometa erros, ela consegue retomar de onde parou, mas com o negro não tem perdão”, explica. Nas primeiras semanas de quarentena, Luiza lançou o “6 Minutos”, seu programa de atualidades no IGTV. “O meu cuidado nunca foi atrelado ao cancelamento em si, mas com o meu propósito enquanto comunicadora negra. A minha prioridade é dialogar com outras vivências para que nos tornemos mais plurais e empáticos com as realidades distintas das nossas”, diz Luiza.

TODA MÁ INFLUÊNCIA SERÁ PERDOADA?

Além do influenciador, por trás de algumas produções de conteúdo existem agências especializadas em manter a imagem do profissional em alta e socorrer, se necessário, em momentos críticos. Fátima Pissarra explica que muito antes de precisar gerenciar uma crise, o trabalho do agente é conscientizar o influencer sobre as suas falhas públicas. Todas elas podem prejudicar diretamente as pessoas responsáveis pelo seu poder de fala e alcance na internet.  

 


“Na sociedade cada um tem o livre arbítrio, ou seja, gosta e desgosta à sua própria escolha. Desta forma, o influenciador precisa estar ciente que existe uma devolutiva para todo e qualquer comportamento a partir do momento que ele não está mais reduzido a um grupo de amigos e sim a milhares de pessoas que o seguem e que ele influencia todo dia”, diz.

Como perder a relevância é a maior punição para um influencer, as más condutas vão perder o espaço
Henrique Diaz, Diretor de Planejamento da Box1824

Reverter um cancelamento não está nas mãos de quem erra, mas exclusivamente de quem cancela. “Hoje em dia é muito difícil fugir do cancelamento, que nada mais é do que um tipo de decepção que o influenciador causa em sua comunidade”, conta. O que não significa deixar de reagir. “É claro que se arrepender, pedir desculpas, aprender, é uma forma de remediar, mas, ainda assim, a base da influência é pautada pelos seguidores.”

E O QUE PENSAM OS PLAYERS DO MERCADO?

Outra pesquisa da Socialbakers, do último trimestre de 2019, revelou que a Hope e a C&A são as empresas que mais investem no trabalho de influenciadores no país. Antes do contrato assinado, os perfis passam por uma avaliação que vai muito além do número de seguidores. A pergunta é direta: será que o contratado dá match com a empresa? “Os followers são relativos. Na C&A o nosso principal critério é buscar alguém que preze pelos mesmos valores da marca, como a diversidade, liberdade de expressão e o respeito às pessoas, certos de que, independentemente do posicionamento da influenciadora, não afetará o nosso relacionamento”, conta Mariana Moraes, gerente sênior de Marketing da C&A.

Hoje estamos vivendo um momento único no mercado de influência, sendo fundamental estar atento e aberto para aprender e reaprender
Camila Assreuy, Lead de RP e Influenciador da Amaro

Ter empatia também é a chave do negócio, principalmente quando o assunto é má influência nas redes sociais. “Cancelar um contrato, por exemplo, é uma situação delicada. A Hope é uma marca que respeita a personalidade de cada pessoa e suas escolhas. Seres humanos são passíveis de erros e, por isso, analisamos se o comportamento vai contra aquilo que acreditamos”, explica Sandra Chayo, diretora de Marketing e Estilo do Grupo Hope. Verificar caso a caso é fundamental, mas Felipe Bratfisch, gerente nacional de Marketing de Experiência e Patrocínios da Cervejaria Ambev, explica sobre os cuidados com a construção de identidade das empresas.

“As marcas traduzem comportamentos e ditam tendências junto aos consumidores, por isso, elas precisam estar atentas e dar exemplo no segmento em que atuam. Não existe mais espaço para atitudes e declarações que ferem o respeito às pessoas e vão contra o bem-estar social e a igualdade de direitos”, diz.

 

Para o futuro próximo, as marcas esperam que os profissionais acompanhem o desenvolvimento da sociedade e as suas necessidades. “A plataforma, o discurso, os personagens e os interesses mudam naturalmente com o passar do tempo, mas o conceito permanece. Hoje estamos vivendo um momento único no mercado de influência, sendo fundamental estar atento e aberto para aprender e reaprender. No futuro, acredito (e espero!) em um conteúdo com mais valor, menos perfeição e mais responsabilidade”, finaliza Camila Assreuy.

Estamos acompanhando! 

Read more here
21.05.2020
Comments
Order by: 
Per page:
 
  • There are no comments yet
Post info
MendesCC
HBrazil!
21.05.2020 (16 days ago)
Rate
0 votes
Actions
Recommend
Categories
Art (6 posts)
Beachwear (1 posts)
Beauty (15 posts)
Book (1 posts)
Design (4 posts)
Event (3 posts)
Fashion (741 posts)
Goodies (1 posts)
Life (4 posts)
Lingerie (1 posts)
LookBook (4 posts)
Love & Relationship (1 posts)
Magazine (520 posts)
Movie (3 posts)
Music (4 posts)
Nails (1 posts)
People (38 posts)
Perfume (3 posts)
Photograph (1 posts)
Red carpet (1 posts)
Travel (1 posts)